19/05/17 14h46 - Secretário de Agricultura de Marechal Rondon defende antecipação do vazio sanitário da soja             ¤             19/05/17 10h50 - Rondonense Thiago Wild arrasa italiano e decide o título em Santa Croce, na Itália             ¤             19/05/17 10h26 - Três motocicletas foram furtadas nas últimas horas em Marechal Rondon             ¤             19/05/17 10h14 - Museu Histórico AK de Marechal Rondon participa da Semana Nacional de Museus             ¤             19/05/17 09h37 - Teatro sobre pedofilia é apresentado aos alunos do Rui Barbosa             ¤            
EDUCADORA AM

Secretário de Agricultura de Marechal Rondon defende antecipação do vazio sanitário da soja

19/05/17 14h46 | Agronegócios

A- | A+

A antecipação do vazio sanitário da soja em quinze dias é a proposição que secretários de Agricultura de inúmeros municípios oestinos vêm defendendo junto à Agência de Defesa Agropecuária do Paraná, órgão ligado à SEAB.


O tema esteve em pauta durante recente encontro de secretários municipais na capital do estado, que teve a participação do diretor-presidente da Adapar, Inácio Afonso Kroetz.


Atualmente, o vazio sanitário da soja ocorre entre os dias 15 de junho e 15 de setembro, como forma de dificultar a multiplicação do fungo causador da ferrugem asiática, doença que causa grandes prejuízos na cultura.


Nesse período de três meses proibe-se o cultivo da soja ou a presença de plantas que nascem espontaneamente, sob pena de multas aos agricultores.


A proposta é antecipar em 15 dias o início e o término do vazio sanitário da soja, que vigoraria de 1º de junho a 1º de setembro.


O engenheiro-agrônomo Leandro Dadalt, Secretário de Agricultura e Política Ambiental de Marechal Rondon, explica que “o plantio antecipado da soja em duas semanas proporcionaria o aumento da produtividade, com maiores ganhos para os agricultores”.


A alteração do calendário, segundo ele, teria vários benefícios às lavouras de soja, entre eles o “escape” das altas temperaturas e do costumeiro veranico de janeiro.


O movimento já conta com a adesão de vários municípios.


A ideia, segundo Leandro Dadalt, que também é diretor de mobilização do Conselho de Sanidade Agropecuária, é envolver todos os municípios da AMOP para que o pleito seja atendido pela ADAPAR.


A discussão nasceu de uma manifestação do próprio secretário rondonense, durante recente reunião do Conselho Municipal de Desenvolvimento Agropecuário.


 


Dada a importância do tema, Dadalt foi estimulado pelos conselheiros a levar a proposta para os âmbitos regional e estadual e vem obtendo grande adesão de técnicos, agrônomos e autoridades do setor.


 


(Rádio Educadora/Assessoria) 

Compartilhe

voltar